sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Recordações que esta terra alimenta...

O objectivo deste blog foi para partilhar com todos vocês experiências únicas...sentimentos únicos... vividos e sentidos durante a minha estadia em Angola. Todas as crónicas revelam um estado de espírito quando as escrevo... Neste momento, o meu estado de espírito leva-me a escrever unicamente o que vai dentro mim, as palavras vão saindo sem voltar atrás e reparar se ficou bem...
Angola, trouxe-me muitas experiências novas, novos sentimentos e novas maneiras de ver a vida, maneiras como só o belo povo africano sabe ver. Trouxe também muitos confrontos a nível pessoal e muitas questões interiores.
Após um sucessivo acumular de situações, gera-se um grande conflito comigo mesmo, em que fiquei sem aquela auto-estrada de vida e apanhei um caminho que me leva a um beco sem saída. Tudo aquilo que ambicionava, tudo aquilo em que acreditava, desapareceu...sinto-me só e perdido.
Neste momento, tenho a plena consciência de que odeio tudo e todos....tudo o que faço é mal todas as decisões que tome estarão erradas....Porquê?
Porque estou baralhado....Não sei o que quero e não sei para onde vou, tenho um conflito de sentimentos que despoletaram todos ao mesmo tempo, saudade, pena, tristeza, amor, fúria, raiva e alegria. Será que somos capazes de enfrentar tudo ao mesmo tempo ou temos de separar as coisas e tratar delas uma a uma.
Só me apetece desaparecer...fugir...estar sozinho...sem ninguém... "Tenho de arrumar a minha secretária".
Estou sem rumo...desorientado...
Muitas vezes ponho-me a pensar...numa analogia para isto tudo, uma questão prática...Será qualquer coisa do tipo como: Imaginem os nossos navegadores quinhentistas que quando regressavam de mais uma grande viagem, aquilo que lhes dava mais esperança era saber que tinham um porto de abrigo para poderem regressar para os braços da sua família. Agora imaginem que depois de estarem muito tempo afastados, em que tudo o que mais ambicionavam era regressar, o porto de abrigo tinha desaparecido, como se sentem esses navegadores...ao saberem que nunca mais vão poder ir a terra... e que tudo aquilo porque lutaram, simplesmente...desapareceu! Eu sei o que lhes passa pela cabeça... É uma lista de questões, porque é que desapareceu?.... O que é que fizemos para ele desaparecer?... Será que vai voltar? ... Vamos esperar e corremos o risco de morrer à fome?.... procuramos outro, demoramos muito tempo e acabamos por morrer na mesma? É isto que lhes passa na cabeça....
Nunca mais será a mesma coisa.... Mas era um alegria imensa se o porto regressasse e se os navegadores nunca mais partissem.
Peço desculpa a todos aqueles que abandonei.... Até sempre!

3 comentários:

Jasman disse...

Nem sei o que te dizer.
O teu Porto de abrigo não pode ser só uma pessoa. Por muito que essa pessoa influencie a tua vida! Nunca te esqueças que tens os teus pais, a tua irmã e todos os teus irmãos pilónicos, nos quais eu me orgulho de fazer parte e que estarão sempre aqui para ser um teu Ponto de visita
Zé, a luta continua...

Cat disse...

A porta da nossa casa estará sempre aberta para ti!
Basta ligares a dizer que aterraste!

:) FORÇA!

David silva disse...

Por vezes as coisas acontecem com um significado...e por vezes como já o velho ditado dizia..."à males que vem por bem"...ou mesmo "fecha-se uma porta e abrem-se 100"...enfim...sei que esse porto era importante, afinal de contas era o porto mais importante de Portugal...pergunto: ainda tens algum combustível para chegar ao porto de Sines visto que o de Lisboa está fechado? Tens de certeza...o "gordo" que eu conheço tem combustível para chegar até ao porto de Matosinhos bem lá no Norte :)e se for preciso com um bocadinho de força física, quando se acabar o combustível, iças as bandeiras no navio escola sagres e vens de Matosinhos outra vez para Sines, e demonstras que nem só o combustível alimenta um barco.
Penso que sabes o que penso...é difícil tudo o que se passa, mas como uma bichona paneleira chamada jasmim disse: " a tua família e os teus irmãos pilónicos, nos quais eu me orgulho de fazer parte e que estarão sempre aqui..."tens que te agarrar, continuar, trabalhar e voltar, e quando voltares vais ao stand e compras o Z8, porque eu quero andar ao teu lado no lugar do morto com os meus longos cabelos a esvoaçarem para trás que nem uma maluca e contigo a fazeres o sorriso do martini men com os teus rayban que o Pedras te emprestou a fazeres aquele gesto que só tu sabes fazer, para aquela menina que vai do outro lado da rua a passear o seu fifi...é assim que eu quero que tu penses...é assim que te quero ver quando estivermos juntos a próxima vez...e é assim que eu quero que encares esta tua viagem, como todas as outras que já enfrentaste...tu deves-te estar a esquecer que já andas neste mundo das viagens marítimas desde os 10 anos!!!! Já foste de viagem para Macau, para o Alfeite, para Angola, para o Porto, para a mata de Monsanto e técnico no bluebierd, para o Sabugal, para a 2ª secção, para os lacticinios dos Açores...sei lá...estava aqui a noite a escrever destinos...e alguma vez te perdeste? alguma vez voltaste e não encontraste o caminho de volta? que eu me lembre não...até voltaste agora novamente para Angola? não me digas que não sabes voltar?? Brother...a minha ultima frase: estamos contigo e.....vai-te a eles/as...